Avançar o conteúdo principal

BLOGUE | Uma lição do aeroporto

Fazer pequenas coisas de forma diferente pode poupar tempo no aeroporto – e tirará muitos minutos do tempo que decorre desde a porta ao tratamento no caso de um AVC, explica o Diretor do Projeto Angels Europe JAN VAN DER MERWE. 

" "
A equipa de AVC no Hospital Maria Vittoria, Itália 

 

Li recentemente um artigo de revisão sobre os diferentes objetivos definidos para os tempos Porta-ao-Tratamento (Door-to-Treatment, DTT) em diferentes projetos de melhoria da qualidade do AVC em todo o mundo. Fizeram-me perceber que, apesar de termos objetivos específicos dentro dos níveis de prémios ESO Angels, não comunicamos com frequência suficiente o nosso objetivo para este importante parâmetro.

Agora, todos sabemos que as diretrizes recomendam 60 minutos como um número arbitrário a ter em mente, mas muitas vezes consideramos este objetivo contraproducente. Os hospitais que estão a cerca de 60 minutos de distância, pensam frequentemente que estão a fazer o suficiente e têm muito pouca motivação para melhorar.

No extremo oposto do espectro, temos países como a República Checa que estabelecem para si mesmos o objetivo de 20/20 até 2020. O que significava que tinham como objetivo alcançar uma taxa de recanalização de 20% realizada a uma taxa mediana de 20 minutos até ao ano 2020. 

Também existe a perceção de que deve demorar até 10 anos a reduzir o tempo de DTT para estes tipos de taxas, visto que foi o tempo que Helsínquia demorou a alcançar este feito. Tenho um ponto de vista diferente e gostaria de o relacionar com uma revelação que tive recentemente ao viajar para outra reunião Angels algures.

É do conhecimento comum que temos de chegar ao aeroporto pelo menos duas horas antes de um voo internacional. Estava a chegar ao aeroporto cerca de 45 minutos antes da hora da partida e caminhei por uma longa fila de pessoas que estavam à espera na fila para verificar a bagagem e obter os cartões de embarque.

O motivo pelo qual pude fazer isto foi o facto de ter feito pequenas coisas de forma diferente. Por exemplo, fiz o check-in online no dia anterior e tinha o cartão de embarque no meu telefone. Também tinha uma mala pequena que não tinha de passar pelo check-in, por isso, basicamente consegui passar pela fila, passar pela segurança e embarcar no avião sem ter de ficar à espera.

Agora, como é que isto se relaciona com os cuidados de AVC e tempos DTT? Bem, descobrimos que ao fazermos algumas pequenas coisas de forma diferente, os hospitais podem melhorar drasticamente os tempos DTT quase de um dia para o outro em vez de terem uma redução gradual durante um longo período de tempo.

Vimos, por exemplo, que implementar quatro ações prioritárias – notificação prévia pelo serviço de EMS, levar o doente diretamente para a TAC, realizar testes no local dos cuidados e tratar os doentes na TAC – tem efeitos significativos na redução dos tempos DTT. Mais de 80% dos hospitais Angels que atualmente têm tempos DTT abaixo dos 30 minutos realizam todas estas quatro ações prioritárias de forma consistente, enquanto os hospitais que atualmente têm tempos DTT superiores a 60 minutos realizam esta ação prioritária em apenas 34% dos casos. 

Encorajo-vos a lerem noutra parte do nosso website as histórias de como um hospital em Itália e um na Islândia diminuíram as taxas de DTT abaixo de 30 minutos num espaço de tempo muito curto. Existem casos individuais tão baixos como 10 minutos, mas acreditamos que um alvo de um DTT abaixo de 30 minutos promove todas as ações corretas e ainda deixa tempo suficiente para deliberação adequada.

Quando estes hospitais analisam as DTT anteriores, tenho a certeza de que para eles é um pouco como pensar numa altura em que também estavam a perder tempo em longas filas de espera para fazerem o check-in de um voo.

" "

 

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software