Avançar o conteúdo principal

Unificar o Sul de Espanha

Espanha


“O maior desafio nos cuidados de AVC em Cádis e Andaluzia é tratar-se de uma área muito grande com população dispersa, o que faz com que seja muito difícil para os doentes com AVC chegarem a tempo ao hospital certo, por isso é muito importante que todos os profissionais compreendam perfeitamente o protocolo de AVC para que os doentes sejam tratados a tempo”, afirmou o Dr. Miguel Moya, Chefe de Neurologia do Hospital da Universidade Puerta del Mar em Espanha.
 
Como parte de um esforço para lidar com este problema, os profissionais de cuidados de AVC das regiões de Cádis, Córdova, Huelva e Sevilha juntaram-se para uma reunião de formação de formadores multidisciplinar durante um dia inteiro em 9 Novembro 2018. Organizado pelo Dr. Miguel Moya e pela Consultora Angels espanhola Lola Beltrán, estiveram no evento 85 participantes de um total de 19 hospitais e centros de serviço de urgência do sul de Espanha. 
 
O que veio a seguir foi uma visão a reter: neurologistas, especialistas de medicina interna, médicos socorristas, enfermeiros, radiologistas e equipas de ambulância, todos trabalharam em equipa sob o lema da Angels Initiative para discutirem os cuidados de AVC nas suas regiões partilhando experiências, obstáculos encontrados, assim como as soluções e ideias de melhoria. 


 
O workshop começou com uma atualização do projeto Angels, depois os participantes foram divididos em três grupos que rodaram por três sessões que abrangeram 1) a gestão pré-hospitalar dos doentes com AVC e a importância da ativação do código de AVC, 2) fase de decisão clínica, 3) análise de imagiologia de TC, e 4) uma sessão muito prática para a gestão do percurso de AVC. Analisámos a possibilidade de implementar o modelo de Helsínquia, com foco nas quatro medidas prioritárias que comprovaram reduzir os tempos de tratamento. 
 
As quatro medidas prioritárias: 
1. Notificação prévia dos serviços de ambulância para o hospital certo
2. Levar o doente diretamente para a mesa de TC
3. tratar o doente na sala de TC
4. priorizar as amostras de sangue para garantir um tempo da porta ao tratamento ótimo
 
Tivemos o prazer de verificar que todas as sessões tinham um ambiente vibrante e criativo; os participantes não tiveram vergonha de fazer perguntas nem de se envolverem em debates (por vezes calorosos) a fim de melhorar os resultados para os doentes. No final do dia, do grupo coletivo surgiu uma grande variedade de projetos interessantes e ideias empolgantes para todas as diferentes fases de gestão do AVC.  


 
A equipa concluiu que todas as regiões envolvidas beneficiariam de mais formação para melhorar os serviços de urgências, porque o tratamento começa frequentemente com o EMS, que tem de ativar o código de AVC e levar o doente ao hospital certo. Considerando que a pré-notificação do hospital já está altamente protocolada e que as amostras de sangue já fazem parte da responsabilidade da equipa da ambulância, a prioridade de melhoria seguinte foi levar os doentes com AVC diretamente para a mesa de TC como parte do protocolo. Como seguimento concreto, foram planeados múltiplos workshops para melhorar os protocolos de EMS nas regiões de Córdova, Cádis e Sevilha.
 
Os participantes identificaram então a necessidade de melhorar o conhecimento dos enfermeiros sobre a gestão dos doentes com AVC e, com o apoio da Angels Initiative, começaram a planear a realização de uma formação regional de enfermeiros em Cádis, que envolvia enfermeiros de serviços de urgência, serviço de urgência e cuidados primários.
Também recebemos muitos pedidos para começar ou continuar a trabalhar com equipas de AVC de vários hospitais para ajudar a melhorar os seus protocolos que se concentram em implementar as medidas prioritárias, assim como em realizar reuniões multidisciplinares, redes de AVC e formações relevantes. 
 
No entanto, e o que é mais importante, sentimos que esta reunião tinha criado um forte sentido de comunidade entre profissionais do AVC na região do Sul de Espanha, evidenciado pela quantidade de riso, de números trocados e de selfies tiradas ao longo do dia. Para aproveitar esta dinâmica, decidimos criar rapidamente um canal Basecamp para esta região, para que todos possam manter o contacto e continuem a partilhar conhecimentos, materiais e experiências. Até à data, continua a ser um dos grupos Basecamp mais ativos que temos.  
 
Agora que as relações entre os especialistas de AVC em toda a região foram estabelecidas, é fácil ver que todos neste barco estão a começar a remar na mesma direção de um modo mais unificado. Mal podemos esperar para relatar os impactos positivos que esta nova comunidade irá, sem dúvida, alcançar. 

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software