Avançar o conteúdo principal
Portugal
Angels Blog

Embracing the New Normal | Part I

Considered one of the bright spots in Portugal, Tondela-Viseu Hospital Centre shares its experience of stroke care during Covid.
Angels team 20 Agosto 2020

Desde o início da pandemia, a maioria de nós teve de adotar o “novo normal” em vários aspetos da vida. Isto pode incluir trabalho e aulas de casa, manter sempre uma distância social segura e usar uma máscara em espaços públicos. 

Equipa de AVC do Centro Hospitalar Tondela-Viseu

No entanto, os profissionais de saúde raramente têm o privilégio de tais opções. Muito pelo contrário – os doentes ainda chegam aos hospitais e devem ainda ser tratados pessoalmente, porque todas as outras doenças não param devido à COVID-19. 

Com a preocupação adicional de contrair o vírus se não formos suficientemente cuidadosos, isto pode traduzir-se numa resposta ou cuidados mais lentos para os doentes. Esta tem sido uma preocupação entre os especialistas em AVC em todo o lado, porque no caso de um doente de AVC, o tempo continua e será sempre essencial. 

Claudia Quieroga e Dra. Ana Gomes

Dr. Ana Gomes, the stroke unit coordinator from Tondela-Viseu Hospital Centre who is also Portugal’s RES-Q Coordinator and an ardent supporter of the Angels Initiative, was one of the physicians concerned by how the pandemic affected the treatment speed of stroke patients. 

Portugal realizou o seu primeiro webinar da COVID-19 em 3 Abril 2020, e foi aí que, em primeiro lugar, repararam quantos hospitais estavam a reportar tempo de espera mais longo, tempos de DTN mais lentos e outras tendências preocupantes devido à COVID-19. Sendo uma pessoa orientada para os dados como ela é, ela queria ver por si mesma como a pandemia afetou a via de AVC no seu hospital. 

Considerado um dos pontos brilhantes em Portugal, a equipa de AVC neste hospital é muito propensa a aprender através da realização de simulações e de uma monitorização permanente da qualidade (registam a maioria dos doentes para o RES-Q em Portugal), conforme evidenciado pelos nove Prémios ESO-Angels que ganharam – cinco dos quais foram prémios de nível de Diamante. 

Neste momento, o hospital recuperou alguma normalidade nas suas rotinas, mas durante o pico pandemia, a sua Unidade de AVC foi movida para outra divisão para criar espaço para os doentes com COVID-19. Também tiveram de lidar com alguns contratempos, tais como ter todos os enfermeiros da Unidade de AVC em quarentena durante 14 dias.  

Simulação de AVC no Centro Hospitalar Tondela-Viseu

O seu protocolo era assumir que todos os doentes de AVC são infectados pelo vírus da COVID-19. Quando um potencial doente de AVC chega ao DE, deve vestir-se com EPI, mas todo o resto manteve-se o mesmo – incluindo a pré-notificação (doente recebido já em EPI), análise sanguínea prioritária, direta para TC e tratamento na TC. 

Quando existe uma suspeita elevada de que um doente possa ser infetado, a TC do tórax é realizada após o tratamento. Assim que todos os testes radiológicos (incluindo angio) estiverem concluídos, o doente é levado para um quarto do DE para colher as amostras para o teste da COVID-19, onde permanecerá até os resultados estarem disponíveis. No caso de um candidato a trombectomia, o doente é transferido e recebido como se fosse um doente positivo para a COVID-19. 

Em maio de 2020, a Dra. Gomes decidiu que era tempo de avaliar este protocolo realizando uma simulação cega e, tendo recebido uma aprovação do Diretor do DE, convidou a Consultora Angels Cláudia Queiroga para observar. 

“The main difference I could see was the PPE. People who were around the patient had to wear a set, and those who didn’t had to guard their distance. Dressing into one seemed a bit frustrating but the team were very efficient as they were already used to it,” she noted. 

Equipa de AVC do Centro Hospitalar Tondela-Viseu após a simulação

O resultado da simulação foi surpreendente para todos os envolvidos. Em média, não houve muita diferença no tempo e desempenho da equipa em comparação com antes da pandemia. A simulação foi uma chamada de despertar para a equipa que, apesar de todas as suas preocupações, a COVID-19 não afeta significativamente o código de AVC. Se continuarmos a treinar todos os passos cruciais, como por exemplo, como vestir os EPI rapidamente – tudo será tão natural quanto antes dos tempos pandémicos. 
 

Clique aqui para ler parte II da história

More stories like this

Hungria

Mátészalka Hospital Proves Its Mettle

The stroke centre at this remote hospital on the north-eastern tip of Hungary is fighting for its patients’ and its own survival with determined courage and award-winning performance.
Europa

Angels And ESO Partner On Stroke Unit Certification

Angels hospitals that have achieved platinum or diamond status may already be eligible for ESO Stroke Unit (SU) or Stroke Centre (SC) certification. A recently announced collaboration between the Angels Initiative and the ESO SU/SC Certification Committee will make it easier to navigate the road to accreditation.
Colômbia

Telethrombolysis Saves Lives In Colombia

It was a proud moment for the team from Duitama Regional Hospital when they became pioneers in a telestroke programme in Colombia’s remote Boyacá region. The brainchild of Dr. José Luis Bustos of the University Hospital San Rafael de Tunja, this project is now notching up world-class treatment times and saving lives.
Join the Angels community
Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software