Avançar o conteúdo principal

A diferença que podem fazer 15 minutos

Polónia



O nível de cuidados de AVC na Polónia melhorou muito nos últimos anos. Sob a orientação de pessoas como a Prof. Anna Czlonkowska e outros, o número de centros de AVC cresceu, passando de apenas uma mão-cheia em 2010 para cerca de 170 hoje em dia.


A Polónia não se concentrou apenas em mais, também se concentrou em melhor. Na maioria dos países em todo o mundo que analisámos, descobrimos que conseguiram aumentar a % nacional de todos os doentes com AVC que recebem recanalização em média 1% por ano. A Polónia alcançou uma média de cerca de 2% por ano de 2010 a 2015! Os cuidados ao doente foram transformados, com alguns hospitais de referência que agora atingiam tempos PAA de 45 minutos.

No entanto, após o seu primeiro surto de atividade entusiástica, o ápice abrandara de alguma forma desde 2015 e os números pareceram ter estabilizados até certo ponto. Todos sabemos que, quando se está a fazer dieta, os últimos quilos para o seu peso alvo são sempre os mais difíceis de perder e talvez o mesmo se aplique aos cuidados de AVC na Polónia.

Estes hospitais polacos que já estão com tempos PAA médios de aproximadamente 45 minutos devem consolidar ou devem fazer mais um esforço para ultrapassar a barreira dos 30 minutos como a maioria dos hospitais no país vizinho República Checa, por exemplo?

15 minutos podem parecer insignificante, mas de acordo com uma publicação de Saver et. Al (2013), cada 15 minutos poupados no tempo de tratamento de um doente com AVC representa uma redução absoluta de 4% na mortalidade, redução de 4% na hemorragia intracerebral sintomática e uma probabilidade 4% melhor de independência após a alta. Por outras palavras, para um doente 15 minutos podem significar a diferença entre andar de bicicleta ou sentar-se numa cadeira de rodas.

O mais interessante é que, ao visitar muitos hospitais em toda a Europa, verificámos que existe uma grande diferença na mentalidade de cada 15 minutos que adicionar ao tempo PAA num hospital. É como se existissem três níveis distintos de tratamento com três mentalidades distintas e vários percursos de tratamento, dependendo do nível em que o hospital está a visar.

Ao observar hospitais com médias à volta de 30 minutos ou menos vê-se rapidamente que pensam de forma diferente e que para eles o tempo é uma prioridade absoluta. Também agem de forma diferente fazendo uma combinação dos seguintes.

  • Têm um sistema de pré-notificação implementado com os seus parceiros EMS.
  • Levam o doente diretamente para o serviço de radiologia e não perdem tempo a parar no SU.
  • Interpretam a TAC no local e também tratam o doente na sala de TAC se o doente for um candidato.
  • Só consideram certos exames laboratoriais antes de tomar uma decisão de tratamento e recorrem frequentemente a exames no local dos cuidados.

É interessante notar que os hospitais que têm uma média de aproximadamente 45 minutos têm uma mentalidade ligeiramente diferente. Não é que o tempo não seja um fator para eles, já que trabalharam arduamente para conseguir demorar menos de 60 minutos, mas é quase como se ficassem satisfeitos com o nível que alcançaram e parassem de se esforçar para melhorar mais. Em hospitais como este ouvimos frequentemente motivos concretos pelos quais algumas medidas não podem ser realizadas nas unidades, ou porque é que, na sua opinião, 15 minutos não fazem uma diferença assim tão grande.

Hospitais que estão a alcançar, em média, cerca de 60 minutos ou mais têm frequentemente uma mentalidade muito diferente. Em alguns casos, apenas uma ou duas coisas causam atrasos substanciais, como aguardar resultados de sangue, por exemplo, noutros é apenas uma ausência geral de pressa. Um facto interessante é que aqueles que estão a tratar doentes em 30 minutos olham para trás e dizem “O que é que fizemos durante uma hora”?

Na Polónia, com o envolvimento pessoal da Prof. Anna Czlonkowska e o aval oficial do Consultor Nacional para a Neurologia, a questão agora é o que visar agora. Com figuras significativas de cuidados de saúde e governamentais a recomendar agora a iniciativa Angels, estamos novamente a assistir a uma mudança de ritmo na direção certa.
 

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software