Avançar o conteúdo principal

Formação de formadores – Fazer crescer as nossas asas

Europa



Existem 50 países na Europa, no entanto só há 12 países com Consultores Angels dedicados. Por mais que gostássemos de ter Consultores Angels dedicados em todos os países, sabíamos que, uma vez que este projeto ainda está em fase inicial, precisávamos de maximizar os recursos limitados que temos, priorizando certas coberturas. 

No entanto, era difícil ignorar que havia inúmeros doentes em outros países que poderiam beneficiar do processo de consultoria da iniciativa. Assim, pensamos: se não conseguimos ir a esses hospitais, porque não trazemos os hospitais até nós?

Em dezembro de 2017, começámos a experimentar o conceito de Formação de Formadores (Train the Trainer, TTT). A ideia era simples: vamos convidar várias dúzias de médicos, enfermeiros e tripulações de ambulância de hospitais que ainda não estão abrangidos pelos nossos consultores existentes e apresentar-lhes os processos e ferramentas de consultoria Angels, esperando que possam trazer mudanças positivas a nível hospitalar, regional ou mesmo nacional. 

Desde então, concluímos cinco reuniões TTT na Alemanha, a que compareceram 150 profissionais de cuidados do AVC de países como a Croácia, Grécia, Macedónia, Moldávia, até ao Quirguistão. E embora ainda estejamos constantemente a encontrar formas de melhorar o programa de formação, temos o orgulho de dizer que ficámos surpreendidos por os cursos terem sido tão bem recebidos, e pelo impacto que geraram. 



Os dois dias completos de formação são divididos em diversos plenários principais e três sessões paralelas. Os plenários principais consistem numa introdução à Iniciativa Angels, e workshops sobre a fase pré-hospitalar, fase pós-aguda e de monitorização de qualidade – envolvendo frequentemente oradores respeitados nas respetivas áreas, como o Dr. Matej Polák (CEO da ZaMED EMS e Presidente da Associação da EMS na Eslováquia) e Andreaa Grecu (Gestor de Projeto RES-Q e Membro da Comissão de Direção Europeia Angels). 

Os participantes foram então divididos em três grupos para as sessões paralelas, onde farão turnos para aprender como tomar melhores decisões clínicas, melhorar as suas competências de leitura de imagens de TC, e melhorar a sua gestão de fase hiperaguda e os percursos. Estas sessões paralelas tendem a ser lideradas pelos nossos Angels mais experientes, o que lhes permite retirar uma grande variedade de experiências de vários países. Estas sessões são ainda apoiadas com a ajuda de software avançado como o Body Interact para a sessão de Decisão Clínica e e-ASPECTS da Brainomix para a sessão de imagiologia por TC.  

 

Durante o mais recente workshop TTT em dezembro de 2018, introduzimos um excitante novo elemento: plenários de simulação no local, conduzidos pela Dra. Paola Santalucia, Diretor da Unidade de Urgência de Neurologia no seu hospital em Messina, Itália, assim como coordenadora da Comissão de Simulação da ESO. Tal como funciona um centro de simulação em pleno, esta sessão plenária começou pela atribuição a três conjuntos de voluntários as funções de médicos, enfermeiros ou tripulações de ambulância (os doentes e familiares foram desempenhados por Consultores Angels). 

Foi então apresentado a cada grupo um cenário clínico único baseado em casos reais passados e receberam a tarefa de tratar o doente sendo observados pelos restantes participantes através de uma apresentação de vídeo em tempo real noutra sala. Tudo foi mantido o mais próximo possível da situação de vida real – tal como a presença (ou falta) de um sistema de notificação prévia, radiologista de chamada e várias situações de dificuldade sobre possíveis contraindicações que podem realmente testar os conhecimentos do participante das diretrizes de AVC. 

Quando a simulação ficou concluída, todo o grupo voltou a reunir-se para uma discussão de grupo, moderada pela Dra. Santalucia, para realçar os pontos fortes e fracos da equipa que tinha atuado. Em geral, seguiram-se diálogos produtivos que abrangeram não só conhecimentos médicos, mas frequentemente também competências pessoais como o modo de tratar a tripulação da ambulância e os familiares do doente. Com base no feedback dos participantes, aparentemente os Plenários de Simulação irão tornar-se uma característica constante dos nossos workshops TTT no futuro. 



Apesar de ter apenas cinco repetições desde a nossa primeira reunião TTT em dezembro de 2017, sentimos que o workshop evoluiu muito, acrescentando consistentemente novos valores pela repetição seguinte. Tal como o hospital deve procurar constantemente modos de melhorar os seus tempos e qualidade de tratamentos, continuaremos a tentar melhorar o nosso workshop TTT, procurando constantemente e testando novos métodos ou tecnologias que possam equipar os participantes com ferramentas práticas e conhecimentos que possam ser facilmente implementados no seu ambiente. 

Tem alguma ideia para nós? 

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software