Avançar o conteúdo principal
Itália
Angels Blog

Pure Gold | The Value Of Collaboration In A Crisis

This motivated team has shown itself equal to the biggest public health challenge in over a century.
Angels team 22 Novembro 2021

Ninguém esperava que uma equipa de AVC na região da Lombardia atingida pela Covid tivesse um desempenho premiado. Mas no Hospital Civil de Brescia, várias intervenções pré-pandemia juntamente com a colaboração estreita de neurologistas e neurorradiologistas de intervenção levaram a melhor.

" "
A equipa de AVC: Nicola Gilberti, Daniele Vanoni, Mara Cleric, Cristina Arrighini, Luisa Stanco, Veronica Vergani, Anna Protopapa, Mauro Magoni.


A guerra rebentou na região italiana da Lombardia em 21 Fevereiro 2020.

Em poucos dias, escolas, negócios e restaurantes começaram a fechar e o presidente da câmara de Milão, a capital regional, encerrou os serviços públicos. Duas semanas depois, toda a Itália seria colocada num confinamento que viria a durar dois meses, uma semana e dois dias.

Codogno, uma pequena cidade no sul de Milão, onde foi confirmado o primeiro caso de transmissão local de Covid-19, tornou-se famosa do dia para a noite como o epicentro da pandemia de Covid-19 na Europa. O doente n.º 1 viria a sobreviver, mas dezenas de milhares não sobreviveram à medida que o vírus dilacerou as províncias de Brescia e Bergamo antes de continuar o seu devastador percurso para as zonas mais pobres a sul.

Com a viagem de autocarro para o nordeste de Codogno a custar seis euros, o Hospital Civil de Brescia suportava as consequências de um sistema de saúde repentinamente sobrecarregado. Entre 1 de março e 31 de maio, mais de 500 profissionais de saúde no hospital testaram positivo para a Covid-19, sendo os médicos e enfermeiros os mais afetados. Os Serviços Médicos de Emergência da Lombardia (Azienda Regionale Emergenza Urgenza) estavam igualmente a lutar uma árdua batalha, mas a aguentar-se à medida que o número de chamadas aumentava e os doentes se acumulavam nos corredores do hospital.

Covid-19 divide a via do AVC

Um hospital universitário com mais de 1500 camas, o Hospital Civil de Brescia contou entre os seus mais recentes feitos um aumento notável no número de doentes com AVC agudo que beneficiaram de trombólise sistémica e trombectomia endovascular.

A sua Unidade de Neurologia Vascular foi fundada em 2005 e é o centro de referência para a gestão de AVC agudo para toda a província de Brescia, um vasto território com cerca de 1 milhão de habitantes. A taxa crescente de tratamento de recanalização disponibilizado aos doentes de AVC deveu-se em parte ao alargamento das janelas temporais e indicações clínicas para estas terapias, mas igualmente significativas foram a operacionalidade permanente da ala de neurologia, a disponibilidade de enfermeiros especializados em AVC e acima de tudo da estreita colaboração entre neurologistas e neurorradiologistas de intervenção que facilitaram a avaliação da neuroimagiologia, incluindo a partir de hospitais periféricos, ao longo do dia.

Na altura, o Hospital Civil de Brescia assemelhava-se no entanto a uma zona de guerra enquanto os médicos lutavam ombro a ombro contra o vírus que se avançava pela Lombardia como um tsunami. Não só o acesso às urgências estava extremamente limitado, mas muitos casos de AVC entre doentes positivos para a Covid apresentavam-se com um prognóstico pior do que os doentes infetados com o vírus.

A necessidade de diferenciar entre doentes com e sem o vírus tornou a gestão do AVC agudo mais complexa e levou à ativação de protocolos específicos para os doentes de AVC. Estes significavam separar os caminhos e criar um caminho “cinzento” das urgências para a unidade de AVC onde foi configurada uma sala separada para os doentes que aguardavam o resultado da zaragatoa.

" "

Alcançar a excelência numa crise

No pico da crise, ninguém poderia ter previsto que um hospital no norte da Itália atingido pela pandemia iria acabar o ano com um prémio pela excelência no tratamento do AVC. E contudo no fim de 2020, a equipa de AVC do Hospital Civil de Brescia reclamou o seu primeiro Prémio ESO Angels, conquistado no quarto trimestre quando as mortes relacionadas com a Covid em Itália atingiam um pico de quase 1000 por dia. No decorrer de um ano que testou os serviços de saúde para além dos limites, o hospital administrara terapias de recanalização a não menos do que 162 doentes, incluindo 73 intervenções de trombectomia endovascular, registando tempos desde “entrada-até-tratamento” que cumpriram os critérios para a categoria Ouro.

Dr. Nicola Gilberti atribuiu este sucesso inesperado às alterações na via do AVC que tinha reduzido os tempos de tratamento ao longo de vários anos. Estas incluíram a pré-notificação do neurologista de serviço através do centro operacional do AREU de que um caso provável de AVC estava a caminho, o exame do doente pelo neurologista na triagem, a avaliação imediata e colegial no exame de TC pelo neurologista e neurorradiologista de intervenção para tomada de decisão terapêutica otimizada e, onde o caso clínico o permitia, o início da trombólise antes da receção dos resultados hematoquímicos.

O percurso continua

“Apesar de tudo, e graças ao apoio da Angels, quisemos continuar a otimizar a via do AVC”, afirma o Dr. Gilberti. “Isto significou criar o espaço para organizar reuniões para a discussão de casos clínicos, uma simulação prática que nos ajudou a identificar possíveis ações de melhoria, formar enfermeiros da unidade de AVC e participar em programas nacionais de monitorização como o MonitorISA e programas internacionais como os Prémios ESO-Angels”.

Tendo comprovado o seu valor numa crise, a equipa de AVC no Hospital Civil de Brescia está a continuar o seu percurso em direção a cuidados melhorados no AVC. Os tempos desde
“entrada-até-tratamento” permaneceram estáveis ao nível exigido para a categoria Ouro e é reconhecido que subir ainda mais na escala pode exigir mudanças substanciais na organização funcional e estrutural do hospital.

O recurso mais importante, no entanto, já está em vigor, uma equipa motivada que se mostrou à altura do maior desafio de saúde pública em mais de um século.

 

 

More stories like this

New
Argentina

Life Is Short And #passioniseverything

Change in stroke care is coming to Patagonia, lead by a mould-breaking, stereotype-smashing neurosurgeon whose Twitter bio declares that #passioniseverything. Dr Miriam Vicente explains what it means.
Colômbia

Mission Impassable | Telemedicine With A Twist Makes Stroke Care Accessible In Pasto

They could not build new roads that would bring acute stroke care within easier reach of the people of Pasto in southwestern Colombia, but an unorthodox solution was literally at their fingertips.
Hungria

Mátészalka Hospital Proves Its Mettle

The stroke centre at this remote hospital on the north-eastern tip of Hungary is fighting for its patients’ and its own survival with determined courage and award-winning performance.
Join the Angels community
Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software