Avançar o conteúdo principal

A Viagem de Balassagyarmat

Hungria

O nosso Departamento de Neurologia e AVC está localizado no Kenessey Albert Hospital de Balassagyarmat, na Hungria. Este ano, o nosso hospital foi recompensado com o Prémio Diamante Angels pela Organização Europeia de AVC pela melhoria excecional e resultados em cuidados de AVC agudo. Foi preciso muito tempo e esforço para chegar lá. A taxa de recanalização dos doentes com AVC isquémico agudo foi de 9,6% em 2014, agora em 2020 é superior a 30%. O tempo porta-a-agulha mediano foi de 87 minutos em 2014 e diminuiu para 19 minutos em 2020. 

equipa de AVC


Nos primeiros anos, tivemos de reforçar junto dos nossos médicos a ideia de que todos os doentes contam. Por outras palavras, todos os doentes com AVC isquémico hiperagudo que tenham sintomas possivelmente incapacitantes e que não tenham risco de hemorragia, devem ser elegíveis para tratamento. Nos EUA, dizem que a terapêutica de recanalização é para todas as pessoas com pulsação. À medida que os nossos números de casos e a experiência aumentaram, pudemos começar a prestar muita atenção aos parâmetros do tempo de tratamento, como o tempo porta a agulha, pois é um dos principais fatores de resultado favorável. Ao incentivar os colegas e o sistema a avaliar e tratar os doentes mais rapidamente na nossa rotina normal, obtemos apenas resultados reduzidos. 

simulação

Em 2016, fomos abordados pela Iniciativa Angels, que nos ajudou a monitorizar os processos dos nossos cuidados de AVC diários para melhorar. A primeira lição que aprendemos foi que tínhamos de monitorizar os nossos dados. A segunda lição foi que precisávamos de uma mudança de paradigma na organização dos cuidados de AVC agudo. Alguns dos nossos médicos e enfermeiros participaram numa formação de simulação gravada em vídeo onde vimos o que estávamos a fazer de forma incorreta e como tornar o processo melhor e mais rápido. A mudança de paradigma mencionada foi a aplicação prática do modelo de Helsínquia no nosso hospital. Os resultados do Hospital Universitário de Helsínquia pareciam utópicos antes. Simplificámos com sucesso o processo de tratamento eliminando passos desnecessários antes de iniciar o tratamento e otimizámos os restantes itens. Estávamos a monitorizar os nossos dados e fornecíamos feedback imediato às equipas de AVC pré-hospitalares e dentro do hospital, assim como feedback diário. 

Esta equipa de AVC extraordinária é um excelente exemplo de como o pensamento inovador sobre os cuidados do AVC, a vontade de melhorar constantemente e o excelente trabalho de equipa podem ter resultados tão extraordinários. Primeiro ganharam um prémio de ouro, mas não quiseram ficar por aqui. Esforçaram-se pelo mais alto nível de excelência e continuaram a revolucionar. Em 2020, alcançaram o Estatuto de Diamante reduzindo o tempo de porta a agulha em mais de metade em comparação com o ano passado e melhorando significativamente as taxas de recanalização dos anos anteriores. E agora que estão ao mais elevado nível, continuam a aprender e estão sempre ansiosos por cada vez mais formação” – Kinga Nedda Pete, Consultora húngara da Angels

Agora, quase todos os doentes chegam depois da pré-notificação do serviço de emergência e um neurologista aguarda o doente na porta do serviço de urgência. Todos os doentes são transferidos imediatamente para a sala de TAC na maca do serviço de emergência. Durante este curto percurso, são recolhidos o historial clínico, a lista de medicamentos, os detalhes da crise real. Na sala de TAC, o primeiro passo é a medição da pressão arterial para evitar atrasos se for necessário tratamento de redução da pressão arterial intravenosa. O segundo passo é um breve exame médico/neurológico. O terceiro passo é realizar um exame de TAC da cabeça sem contraste e a breve avaliação (inferior a 60 segundos). Assim que a decisão de tratamento é tomada, o tratamento começa. A colheita de amostras de sangue, angiografia por TAC, etc. são realizadas apenas após o início do tratamento. 
 

Como resultado, conseguimos diminuir o nosso tempo “porta a agulha” por uma margem enorme e conseguimos finalmente este fantástico prémio. Gostaria de agradecer os esforços conjuntos da nossa equipa de AVC, do pessoal do serviço de emergência e, por último, mas não menos importante, dos representantes húngaros e checos da Iniciativa Angels. - Dr. Krisztián Pozsegovits, Chefe de Neurologia

 prémio

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software