Avançar o conteúdo principal
Polónia
Angels Blog

Como os dados ativaram a nossa melhoria

O nosso percurso de otimização dos cuidados para os doentes de AVC ainda agora começou.
Angels team 11 Junho 2019
Skarżysko-Kamienna Hospital is the only hospital in a small town of 50,000 residents in central Poland, treating approximately 350 stroke patients every year, writes Dr Małgorzata Fudala, Head of the Stroke Unit at the hospital.
 


Albert Einstein definiu ilustremente a insanidade como fazer a mesma coisa uma e outra vez e esperar resultados diferentes. Isso é evidente – se quisermos melhorar, temos de começar a fazer as coisas de modo diferente. No nosso caso, isto começou assim que começámos a realizar a monitorização da qualidade.

O Hospital Skarżysko-Kamienna é o único hospital numa pequena cidade de 50.000 residentes no centro da Polónia, que trata aproximadamente 350 doentes com AVC todos os anos. Há muitos anos que a unidade de AVC tem estado a fazer terapêutica de recanalização intravenosa em doentes com AVC, com uma taxa anual de tratamento de 10%. Não existem dados sobre a qualidade dos cuidados ou os resultados do tratamento, por isso achámos que estávamos no bom caminho. 
 
No final de 2017, estabelecemos retrospetivamente que o nosso tempo médio da porta ao tratamento (door-to-treatment, DTT) tinha sido superior a 90 minutos, com 30% de tratamentos administrados após mais de 120 minutos. O nosso ânimo desvaneceu imediatamente.
 
Mais ou menos na mesma altura, surgiu uma oportunidade de cooperar com a Angels Initiative. A nossa equipa de AVC realizou uma sessão de brainstorming juntamente com o nosso Consultor Angels, que resultou na seguinte lista de medidas concretas:
 
  1. Atualização do procedimento de recanalização com especial ênfase na monitorização do percurso do doente no hospital e supervisão pessoal do médico.
  2. Registo RES-Q – inserir os dados de todos os casos de AVC desde março de 2018 e fazer análise periódica
  3. Realizar uma série de cursos de formação para os Serviços de Ambulância 
  4. Simulação do percurso de tratamento do AVC no hospital – Tempo de DTT de 25 minutos!
  5. Possibilidade de testes de INR junto à cama do doente.
  6. Introdução do teste GUSS como teste de seleção padrão para a disfagia.

Nos últimos 6 meses conseguimos aumentar a nossa taxa de recanalização até 17% (o primeiro trimestre de 2019 – até 23%!) e diminuiu o tempo médio DTT para metade – para 47,5 minutos. Os fatores mais importantes foram a qualidade de monitorização e uma mudança de atitude da equipa, levando a um maior sentido de responsabilidade, maior entusiasmo e melhor trabalho de equipa. Os dados do Registo RES-Q informaram-nos do que fizemos bem e o que necessitava de ser melhorado, o que nos ajudou a ganhar 1 Certificado Gold e 2 Certificados Platinum ESO-Angels até agora.  
 
O passo seguinte é reduzir mais 15 minutos no nosso tempo DTT e participar no projeto QASC, que pretende melhorar os cuidados aos doentes através da implementação de intervenções de enfermagem associadas à hiperglicemia, hipertermia e disfagia.

Conseguimos tudo isso sem financiamento adicional. O nosso percurso de otimização dos cuidados para os doentes de AVC ainda agora começou. Com a monitorização de qualidade e a implementação da mentalidade adequada, estamos confiantes de que continuaremos a melhorar. 

More stories like this

Vietname

Conectar e colaborar para salvar vidas

A life-saving network levels the path to stroke care In Rocky Văn Yên District in Vietnam.
Europa

A Iniciativa Angels dá-lhe as boas-vindas ao ESOC 2022

We look forward to welcoming you to the first live ESOC event in almost three years.
Egito

Partilha de conhecimentos faz crescer a rede de AVC no Egipto

When the strong lends a helping hand, the entire community of stroke-ready hospitals is made stronger.
Join the Angels community
Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software