Avançar o conteúdo principal

SIMULAÇÃO DE FORMAÇÃO | Pôr-se no lugar dos outros

A consultora Angels, Maria Koneva, resume-o na perfeição: “Quando o fazemos, temos o conhecimento para sempre”. Leia como os princípios da aprendizagem experimental sustentam o impacto da formação de simulação nos cuidados do AVC.

" "No início de 2019, apenas 1 em 200 doentes de AVC na Ucrânia estava a receber terapêutica de recanalização farmacológica. A taxa de trombectomia era ainda mais baixa, um número quase imperceptível de 1 em 1 000. Embora as taxas de recanalização tenham aumentado ano após ano, isto aconteceu em incrementos dolorosamente pequenos relativamente a uma base baixa. 

Em nenhum ano a taxa de recanalização aumentou mais de 31 pontos percentuais, mas isso estava prestes a mudar.

A partir de fevereiro de 2019, uma equipa de neurologistas e educadores de neurologia apresentou cursos de formação sobre cuidados de AVC agudos a 106 membros da equipa de AVC de toda a Ucrânia. Dez grupos interdisciplinares de neurologistas, neurocirurgiões, enfermeiros de AVC e médicos de UCI e EMS participaram no Curso de Simulação de AVC de dois dias realizado no Hospital Regional de Poltava, no Leste do país, onde um Centro de Simulação – o segundo no Leste da Europa – abriu no Dia Mundial do AVC em 2018.

No Congresso Mundial de AVC, no ano seguinte, foi relatado que, no final de 2019, o número total de doentes submetidos a terapêutica de recanalização na Ucrânia tinha aumentado em 90%, e a taxa de trombólise nos hospitais que participaram na formação em mais de 200%.

A conclusão da equipa de Poltava foi que a formação de simulação para cuidados de AVC teve um impacto imediato, significativo e mensurável na qualidade dos cuidados.

Principais aprendizagens sobre como e porquê

Os méritos da aprendizagem com base em simulações estão bem definidos. Na verdade, o filósofo grego Aristóteles foi o primeiro a observar – há cerca de 2400 anos –que “as coisas que temos de aprender antes de podermos fazê-las, aprendemos a fazê-las”.

O papel da formação de simulação em cuidados de saúde foi pioneiro com o Dr. David Gaba, um anestesista que utilizou os princípios de formação de aviadores eastronautas para ajudar os profissionais de cuidados de saúde a dominar novas competências sem risco para os doentes.

Nos cuidados de AVC de emergência, o impacto positivo da formação de simulação foi demonstrado por melhorias significativas na gestão e resultados reais dos doentes como resultado, nomeadamente, do tempo ganho através de um melhor trabalho de equipa e de uma tomada de decisões mais confiantes, mais rápidas.

Qualquer pessoa que queira compreender como e porque é que a formação de simulação melhora os cuidados do AVC, encontrará muitas respostas em estudos de caso revistos por pares e nos benefícios amplamente compreendidos da aprendizagem experimental. Mas para cinco aprendizagens-chave sobre simulação em contextos de AVC, pode contar igualmente com um grupo de consultores e líderes de equipa da Iniciativa Angels que partilham a sua experiência de várias simulações – desde simulações de vias agudas no hospital a cenários baseados em centros de simulação para otimizar a tomada de decisões e os cuidados pós-agudos.

1 Um local seguro para aprender e refletir

A formação de simulação proporciona aprendizagem de pequenos grupos num ambiente seguro, diz Silvia Ripamonti, líder da equipa Angels para cinco países da Europa Central, incluindo a República Checa e a Bulgária. O Centro de Simulação ultramoderno no Hospital Universitário Sta. Ana em Brno, República Checa, é um dos mais utilizados pelas equipas Angels na Europa. Na Bulgária, as Academias de AVC de dois dias são realizadas no Hospital de Sta. Ana em Sofia e no Hospital de São Pantaleão em Plovdiv.

“A simulação elimina o medo”,diz Maria Koneva, sediada em Moscovo, Rússia, e juntou-se à Iniciativa Angels a partir de um desejo de mudar o sistema de saúde no seu país.

“É uma zona segura”, confirma Cláudia Queiroga. Cláudia, que agora é membro da Equipa Principal da Iniciativa Angels, é antiga consultora em Portugal, onde experimentou simulações in-situ da fase hiperaguda do AVC no serviço de urgência.

A formação sobre a simulação também permite refletir sobre as suas ações num ambiente sem juízos de valor.

Uma simulação de simulação consiste normalmente em três fases: a sessão de informação, o cenário e o debate. Durante a componente de discussão, os participantes recebem feedback especializado num ambiente sem juízos de valor e de apoio. Esta oportunidade de refletir é um elemento-chave da aprendizagem experimental de acordo com John Dewey, filósofo e reformador educativo, que acreditava que “não aprendemos com a experiência, aprendemos com a reflexão sobre a experiência”.

2 Aprender melhor durante mais tempo

A aprendizagem experimental acelera a aprendizagem e melhora a retenção. Os formandos não só têm maior probabilidade de estabelecer uma ligação pessoal com o material, como também aprendem o valor dos erros.

É incrível a quantidade de aprendizagem que ocorre em apenas dois dias, diz Lev Prystupiuk, consultor da Angels para a Europa de Leste e Ásia Central. Lev, endocrinologista cuja experiência inclui prestar cuidados médicos voluntários em áreas rurais remotas da Ucrânia, esteve envolvido na criação do Centro de Simulação em Poltava. Diz que, após a formação com base em simulações com os médicos de Poltava sem experiência anterior de tratamento do AVC começaram a tratar doentes de AVC nos seus próprios hospitais e nos seus próprios países.

Não só a aprendizagem é acelerada pela experiência do fazer, também é reforçada pela revisão e análise de gravações em vídeo de cenários e pela obtenção de perspetivas sobre o próprio comportamento.

“Quando nos observamos a nós mesmo a cometer um erro, nunca se esquece”, diz Alicia Arjona, consultora Angels de Espanha. Maria Koneva faz eco do seguinte: “Quando o fazemos, temos o conhecimento para sempre”.

3 Competência, confiança e uma ligação

Quando os médicos que participaram na formação de simulação começam a tratar os seus doentes, estão confiantes por dois motivos, diz Mateusz Stolarczyk, líder da equipa Angels para a Rússia, Polónia e Ucrânia. “Um é que sabem como e também têm o apoio da Angels na implementação”.

Sílvia concorda que “o maior resultado é que o médico está mais confiante quando põe em prática o que aprendeu”. Foi a confiança de alguém que beneficiou de cenários de tomada de decisões de interpretação de papéis com médicos experientes, obtendo feedback de especialistas sobre as suas observações durante os rastreios neurológicos ou minutos que salvaram a vida após o AVC agudo durante simulações in situ.

Não só receberam todas as informações relevantes e corretas de um especialista de alto nível que é competente em simplificar o complicado, como também podem contar com o apoio e acompanhamento futuros, diz Maria .

A experiência de Sílvia confirma que: “Quando um médico que nunca tratou AVC antes de concluir a formação de simulação, o formador irá dizer: “Quando tiver o seu primeiro doente, telefone-me”. E quando telefonam, irão encontrar um mentor no outro lado da linha a dizer calma, vamos seguir a lista de verificação, seguir o protocolo”.

4 Trabalho em equipa em várias disciplinas

O trabalho em equipa é essencial numa emergência médica, e a comunicação melhorada entre os membros da equipa interdisciplinar, particularmente na fase hiperaguda, é um dos principais resultados da formação de simulação.

Mas o trabalho de equipa também tem um papel a desempenhar nos cuidados pós-agudo, diz Cláudia, que participou recentemente num workshop de simulação pós-agudo no Centro de Simulação em Aveiro, Portugal, juntamente com a gestora de projeto Angels, Rita Rodrigues, que coordena a educação e formação para a equipa de consultores na Europa e gere a participação em reuniões internacionais, workshops e conferências.

O workshop contou com a participação de duas equipas interdisciplinares de diferentes hospitais, que incluíram um enfermeiro de reabilitação, um fisioterapeuta, um terapeuta ocupacional, um fisioterapeuta, um terapeuta da fala e um nutricionista.

Ao contrário da fase hiperaguda, os especialistas pós-agudos normalmente não trabalham em equipa e, muitas vezes, os participantes do mesmo hospital nunca se tinham encontrado, Cláudia afirma. “Um especialista pode entrar durante a manhã, outro à tarde e irá depender das informações no registo do doente”.

No entanto, durante o workshop de simulação no Aveiro, os participantes perceberam que o trabalho de equipa e a tomada de decisões partilhadas entre disciplinas nos cuidados pós-agudos foram benéficos para o doente.

Além disso, os participantes adquiriram uma melhor compreensão das funções uns dos outros e, ao realizarem tarefas normalmente realizadas por outros especialistas como parte da simulação, tiveram a oportunidade de andar nos sapatos um do outro.

“Isto foi muito benéfico para o espírito de equipa e para a construção de equipas”, diz Cláudia.

5 A perspetiva do doente

Nas simulações pós-agudas, os atores que tinham sido registados como “doentes” forneceram feedback valioso da perspetiva do doente, segundo Rita, acrescentando que o envolvimento dos atores fez com que a simulação parecesse muito real para os participantes e tornou a experiência verdadeiramente imersiva.

Envolvemos os atores nas sessões de debriefing e as equipas estavam muito interessadas em ouvir como perceberam os rastreios e as conversas durante o tratamento, e como se sentiram. Ninguém pergunta ao doente, por isso, foi muito útil ouvir esta perspetiva”.

Não menos valiosa é a perceção proporcionada pelo papel de um doente, quando Mateusz Stolarczyk aprendeu quando atuou como doente durante uma simulação em São Petersburgo.

“Fizeram-me realmente apreciar a importância de informar o doente sobre o que está a acontecer”, lembra.“Sabia que era apenas uma simulação, mas ainda me senti nervoso”.

 

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software