Avançar o conteúdo principal

Recrutar super-heróis

Europa


De acordo com a World Stroke Organization, 1 em cada 4 de nós irá sofrer um AVC na vida. A WSO também nos diz que esse AVC é tratável. Em muitos países isto ainda não é realidade, dado que muito poucos doentes chegam a um hospital que lhes poderia dar o tratamento correto e ainda menos doentes chegam a tempo para tratamentos que podiam ajudá-los a sobreviver ao AVC e a sair do hospital a pé pelos seus próprios meios.

Nos últimos 3 anos a Angels Initiative trabalhou arduamente para se certificar de que estão disponíveis mais “Hospitais Preparados para AVC” para que os doentes tenham acesso aos cuidados que merecem. Também trabalhamos arduamente para nos certificarmos de que as ambulâncias só entregam doentes com AVC nesses hospitais e que, quando o fizerem, esses hospitais conseguem oferecer os tratamentos mais apropriados da forma mais eficiente.

No entanto, os doentes frequentemente não veem os seus sintomas como suficientemente graves para chamar uma ambulância, e em muitos casos pedem ajuda primeiro a amigos, familiares ou médicos de clínica geral e muitas vezes não são aconselhados a chamar uma ambulância.

Então temos de resolver dois problemas:

  1. Melhorar o reconhecimento dos sintomas mais frequentes do AVC
  2. Ensinar à população geral que o AVC é uma emergência, e que se estes sintomas surgirem devem chamar uma ambulância em vez de pedir ajuda noutro lugar.

Fazê-lo não é de modo algum uma tarefa fácil. Considere, por um momento, que a idade média dos doentes com AVC é 70 anos de idade. Esta população não passa todo o seu tempo nas redes sociais nem a ler blogs médicos. Também sabemos que não podemos apenas educá-los, porque a primeira reação é pedir ajuda, por isso temos de educar também os seus amigos e familiares, a quem podem recorrer quando o AVC ataca.

Ao tentarmos perceber como resolver este problema, encontramos alguns dados sociodemográficos que mostraram que até 50% do grupo de idade que estamos a tentar educar cuidam dos seus netos, pelo menos algumas vezes por semana. Isto pode ser por ambos os pais trabalharem, ou devido aos lares com múltiplas gerações em que vivem com frequência. Isto deu-nos uma ideia.

E se usarmos os netos para servirem de veículo, através do qual educamos os avós e os seus amigos e familiares? Olhamos para as casas dos avós e percebemos que muito frequentemente têm fotografias e pinturas dos netos na parede. Pode ser a pintura com dedos mais feia de sempre, mas terá sempre um lugar na parede porque tem valor sentimental. Isso fez-nos pensar, talvez pudéssemos usar isto e conseguir que as crianças dessem aos seus avós um presente que os pudessem educar acerca do AVC, e fazê-lo por mais tempo porque este estaria entre os outros quadros na parede.

Dirigir-se aos pais foi mais fácil, porque bastou encontrar uma forma de as crianças envolverem as suas famílias pedindo-lhes para visitarem um website ou para levarem para casa coisas que tinham aprendido na escola.

O programa FAST Heroes, recentemente endossado pela WSO, pretende abordar isto através de um programa educativo baseado num personagem animado, Timmy, que se torna um FAST Hero aprendendo a vencer o Evil Clot (Coágulo Terrível) e a salvar a vida do seu Grandhero.

Desenvolvido em parceria com o Departamento de Políticas Educativas e Sociais da Universidade da Macedónia, é uma campanha escolar dirigida a crianças dos 5 aos 8 anos de idade e consiste numa vasta gama de atividades desenvolvidas à volta de quatro super-heróis. Distribuídas ao longo de um período de 5 semanas, estas atividades irão ensiná-los a reconhecer alguns dos principais sintomas do AVC e a valorizar a importância de chamar uma ambulância pelo 112 em caso de suspeita de AVC.

É dada às crianças a missão de educar pelo menos dois Grandheroes. Todas as semanas, durante 5 semanas, as crianças personalizam um cartão de mensagem educacional para os seus dois Grandheroes e esta é enviada para eles por correio no final do programa. Quando os Grandheroes as recebem, é-lhes pedido que os exponham na parede ou no frigorífico juntamente com todas as outras imagens que já têm.

Para educar o resto da família, serão dadas às crianças posters para o seu quarto e uma máscara para brincarem em casa.  Queremos que os nossos heróis FAST sejam visíveis em casa e encorajem os pais a aderirem à brincadeira, pedindo-lhes para irem à Internet uma vez por semana para ver os vídeos, responder a algumas perguntas e ajudarem as crianças a concluir a sua missão. 

Foi feito um piloto deste programa em jardins de infância na Grécia e os resultados das nossas primeiras implementações revelaram muitas crianças felizes, avós orgulhosos e pais com um conhecimento de AVC significativamente melhorado.

Os recursos para usar na aula são adequados para a idade e incluem materiais de aprendizagem como pequenos filmes de animação, atividades na sala de aula, uma canção FAST Heroes e materiais para levar para casa, para literalmente levar a mensagem até casa. Em resumo, o programa proporciona ferramentas com uma dupla função para os ajudar a passar tempo juntos em família e, ao fazê-lo, transferir o conhecimento sobre AVC através da aprendizagem incidental.

Um dos principais atrativos deste programa é a facilidade com que qualquer indivíduo pode participar. Talvez seja um médico ou enfermeiro que trabalha num hospital preparado para AVC e queira dirigir-se à comunidade para conseguir que mais doentes se dirijam aos hospitais certos, a tempo para serem tratados. Também é possível que conheça um membro de uma ambulância com experiência em se dirigir a escolas, talvez conheça um pai com algum tempo livre ou mesmo um sobrevivente de AVC que esteja associado a uma Organização de Apoio a Doentes com AVC; qualquer pessoa se pode tornar um Embaixador FAST Heroes.

Basta ir ao website em www.fastheroes.com e registar-se como Embaixador FAST Heroes. A equipa irá dar-lhe tudo o que precisa para implementar na sua escola, incluindo o material usado na aula, um website para os pais participarem e mesmo alguns materiais de formação e apoio para o ajudar. Não queremos apenas implementar a campanha numa só escola ou num só dia, queremos que isto se torne parte do seu currículo anual, por isso também estamos a trabalhar para lhe dar ideias de como tornar a campanha sustentável de um ponto de vista financeiro, através de merchandising, angariação de fundos, etc.

Hoje, os materiais FAST Heroes estão disponíveis devidamente adaptados (número de emergência e idioma) para a Rússia, Letónia, Eslováquia, Hungria, Bulgária, Grécia, Itália, Espanha, Portugal, Alemanha, Brasil, Canadá, Islândia, África do Sul, Singapura e Taiwan. À medida que o interesse cresce, esperamos também expandir a nossa cobertura. 

Na Angels Initiative acreditamos em capacitar as pessoas em fazer aquilo que fazem melhor, agora e no futuro. Tal como oferecemos ferramentas para o ajudar a melhorar os seus tempos de porta-ao-tratamento ou a sua proficiência a ler um exame de TC, a campanha FAST Heroes é a solução que oferecemos para abordar o problema da consciencialização do AVC na comunidade.

Juntos, podemos mudar o mundo – Um Grandhero de cada vez. 

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software